Mostra Negritude Infinita 2017

Mostra Negritude Infinita 2017

Tentar expressar o que é ser negro e negra é uma luta. Assim que alguém se afirma enquanto negro ou negra, afirmam também o seu lugar no mundo, seu corpo, suas narrativas e suas estruturas culturais, sociais e políticas. Apresentar obras que por meio de classes, espaços, idades e gêneros diferentes de personagens e cenários, aonde negros vivem ou são fabulados a viver, sem se despregar nunca do fato de um processo histórico de opressão e suas trilhas estruturais que são herança desses quinhentos anos da história racial brasileira.

Em resposta a esse local colocado, por quê buscar um corpo negro que viva um mundo de afirmações positivas e limpas de violência, e por quê se questionar o que é ser negro? Por essa luta diária e pelo desejo da afirmação do chamado Cinema Negro, é que nasce a mostra Negritude Infinita, que acontecerá na Vila das Artes e no Centro Cultural Bom Jardim em novembro desse ano. Com o objetivo de criar um espaço que pense acerca da questão da representação de corpos negros no cinema brasileiro, em diferentes momentos da história do cinema nacional.

Essa mostra traz filmes de cineastas que falam de momentos importantes nesta transição entre discursos e narrativas, e que de alguma maneira ilustram como as mudanças sociais acontecidas no audiovisual trouxe uma nova geração de cineastas a ocupar o lugar de fala sobre sua cultura, suas narrativas e a sociedade como um todo.

Novamente, o que é ser negro e o que cinema mostra de negro? Dado essa colocação simples, a mostra Negritude Infinita se constrói em uma exibição que irá evidenciar o papel do negro na cultura popular pela mídia televisiva e pelo cinema.

Equipe: Leon Reis, Clébson Oscar, Darwin Marinho e Lilian do Rosário.

 

SERVIÇO:

Dias 9, 16, 23 e 40 de novembro, as 18:30hs na Vila das Artes, e dias 11 e 18 no Centro Cultural Bom Jardim, as 17hs.
Censura livre.
Entrada gratuita.
Mais informações: https://www.facebook.com/negritudeinfinita

PROGRAMAÇÃO

Sessão 1 – Vila das Artes, 9/11 – 18:30hs + debate
● A Negação do Brasil | Documentário de Joelzito Araujo, 1h 32m, 2000.
Sessão 2 – Centro Cultural Bom Jardim, 11/11 – 17hs + debate
● Pode me Chamar de Nadí | Ficção de Emerson Déo Cardoso, 19min, 2009
● Cores e Botas | Ficção, de Juliana Vicente, 16 min, 2010
● (há) mar | Documentário, de Luca Salri, 13min, 2016
● Travessia | Documentário, de Safira Moreira, 4min, 2017
● Alma no Olho | Ficção de Zózimo Bulbul, 11 min, 1974.
● Momento Vício e Boa Sorte | Doc/Ficção de Diogenes Lopes. 20min, 2015.

 

Sessão 3 – Vila das Artes, 16/11 – 18:30hs + debate com a presença da realizadora de KBELA Yasmin Thayná.
● Cores e Botas | Ficção, de Juliana Vicente, 16 min, 2010
● Alma no Olho | Ficção de Zózimo Bulbul, 11 min, 1974.
● KBELA | Experimental/documental de Yasmin Thayná, 22 min, 2015

Sessão 4 – Centro Cultural Bom Jardim, 18/11 – 17hs + debate
● Dona Sônia Pediu Uma Arma Para Seu Vizinho Alcides | Ficção de Gabriel Martins, duração: 18 min, 2011
● Rapsódia Para o Homem Negro | Ficção, de Gabriel Martins, 24 min, 2015.
● Chico | Ficção, de Irmãos Carvalho, 23min, 2016
● Kbela | Experimental/documental de Yasmin Thayná, 22 min, 2015

Sessão 5 – Vila das Artes, 23/11 – 18:30hs + debate com a presença do convidado Rodrigo Ferreira e os realizadores Luca Salri(Há) mar, e Diogenes Lopes e convidados de Momento Vício e Boa Sorte
● (há) mar | Documentário, de Luca Salri, 13min, 2016
● Travessia | Documentário, de Safira Moreira, 4min, 2017
● Quintal | Ficção, de André Novais Oliveira, 20min, 2015
● Momento Vício e Boa Sorte | Doc/Ficção de Diógenes Lopes. 20min, 2015.

Sessão 6 – Vila das Artes, 30/11 – 18:30hs + debate com a presença da convidada Paolla Menchetti.
● Dona Sônia Pediu Uma Arma Para Seu Vizinho Alcides | Ficção de Gabriel Martins, duração: 18 min, 2011
● Chico | Ficção, de Irmãos Carvalho, 23min, 2016
● Rapsódia Para o Homem Negro | Ficção, de Gabriel Martins, 24 min, 2015

 

 

A Mostra Negritude Infinita é uma realização do Ateliê Casamata, com apoio da Escola Pública de Audiovisual da Vila Das Artes, equipamento da Secretaria de Cultura de Fortaleza. Também conta com apoio do Centro Cultural Grande Bom Jardim, equipamento da Secretaria de Cultural do Estado do Ceará.