Residência artística MEMÓRIAS NEGRE-NATIVES: o corpo voltado para o chão

A residência artística MEMÓRIAS NEGRE-NATIVES: o corpo voltado para o chão é a pesquisa de narrativas corporais e visuais negras a partir dos mitos pessoais ancestrais, sendo construída em três pilares: as memórias, o corpo e o chão. Possui fundamentos cruzados com as danças negras de umbigada e o funk de favela, com as imagens poéticas do afrobutô e o treinamento corporal ao tônus memorial. É elaborada a partir da invisibilidade de produção de conhecimento que o racismo violentamente traz aos corpos negros de Fortaleza, pois ele, o racismo, atua diretamente na aniquilação da memória, das temporalidades e da ancestralidades afro-cearenses, colocando a população negra como inexistente e desintelectualizada.

O barro do chão no qual pisamos é onde os mortos ancestrais dormem, eles são nossas memórias e
para as atualizarmos é preciso do documento carnal, o corpo. Tendo esses três pilares, chão, memória e corpo, a residência MEMÓRIAS NEGRO-NATIVAS construí a narrativa poética ancestral que nos leva ao encontro de um treinamento corporal do ator e a criação sensível a partir de epistemologias negras e originárias cearenses. Pensando na preparação corporal do ator e na ampliação do corpo poroso ao processo temporal a oficina parte do pressuposto que a memória, assim como, o músculo precisa ser exercitada para que amplie seu repertório potência, desse modo, o tônus muscular dançado/trabalhado neste direcionamento está diretamente ligado à expansão do tônus memorial.

Esta imersão garante a reatualização das narrativas ancestrais de cada participante o fazendo mergulhar na sua história e entendendo que as memórias negras são também material poético de criação cênica e visual. Assim voltando o olhar da juventude para as questões da comunidade, do território e os saberes onde mora.

Foto: Nyara Maria

COMO FUNCIONA

A residência acontecerá durante 8 (oito) encontros em 4 (quatro) semanas, sendo dois encontros semanais nas segundas e quartas-feiras de 13 de abril a 6 de maio de 2020, no turno da tarde (14-18h). As atividades acontecerão no Pantanal – Planalto Ayrton Senna e no CUCA Mondubim, com duração de 32h/a. As pessoas participantes receberão ajuda de custo para transporte durante a residência, além de materiais de consumo e de uso coletivo durante as atividades.

PÚBLICO-ALVO e INSCRIÇÕES

A residência é voltada par pessoas negras, a partir de 18 anos, com algum tipo de experiência em artes. As inscrições são feitas de 10 a 28 de março de 2020 de forma online no formulário abaixo.

Obs: é necessário estar com conta do Google logada para enviar a inscrição.

Foto: Nayra Maria

MENTORIA

Pedro Silva

Pedro Silva é um negro-nativo que manifesta-se por meio das artes cênicas e visuais seu fazer poético-artístico, estando ator, dançarino, brincante, performer, poeta, arte-educador e artista-pesquisador. Participa da Coletiva N.E.G.R.A.D.A. (Natives Em-cena Gerando Rastros Artísticos de
Aquilombamento e Ancestralidade) estando responsável dentro do grupo pela pesquisa do treinamento corporal. Está graduando-se em Licenciatura em Teatro pelo Instituto Federal do Ceará, IFCE.

Amanda Monteiro

Amanda Monteiro é atriz e performer, graduada em Teatro pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente sua pesquisa é voltada à memória na construção de dramaturgia nas múltiplas linguagens. Buscando formas de materializar na técnica do lambe-lambe e performatividades, as experiências de seu corpo-território-preta-mulher. Na coletiva NEGRADA investiga as narrativas híbridas e expandidas da afro-natividade.

Gizelle Oliveira

Gizelle Oliveira da Silva é dançarina e performer, não esta ligada a nenhuma instituição acadêmica de ensino. Cresceu dentro da swingueira, funk, forró e pagode. Através desses ritmos pesquiso como o nosso corpo negro acessa, libera e empodera as raízes ancestrais, ampliando por meio desse swingue a consciência corporal.

Apoio:
​IX Edital Ação Jovem – Contra o Racismo
Rede CUCA
Coordenadoria Especial de Políticas Públicas de Juventude da Prefeitura de Fortaleza